“HaHaHaHaHa pare de me fazer rir se não eu vou fazer xixi” quem nunca escutou isso ou falou isso? Mas isso é o normal.

E pessoas que assistem a um filme de comédia, começam a dar risada, tossir, ou praticam atividade física (início de corrida, pratica ginástica, por exemplo) e tem a sensação que se urinou, isso está atrapalhando o seu dia-a-dia, sua atividade física, isso não é normal…

Hoje (10 de maio) passou no programa Bem Estar da rede Globo uma matéria sobre a Incontinência Urinária (IU) e me chamou a atenção não por ser uma doença ou um problema de saúde, mas por possuir uma precaução e um tratamento que é fácil de executar e mais simples do que uma cirurgia (alguns casos precisam ser feito cirurgia) e mesmo com a cirurgia existem casos que não é resolvido o problema, então tentaremos prevenir.

Primeiramente a IU é a perda da urina pela uretra involuntariamente, geralmente ocasionada por algum esforço. Este distúrbio pode acontecer em homens e mulheres de diversas idades e com maior frequência em:

obesos (maior sobrecarga no assoalho pélvico);

fumantes (o fumante apresenta tosse mais violenta e assim aumenta a pressão na bexiga e os componentes do tabaco causam deficiência no estrógeno favorecendo a precocidade da menopausa que é um fator de isco para IU);

consumo de cafeína (a cafeína tem uma ação diurética nos rins aumentando o volume urinário);

gravidez e tipo de parto (no parto normal o bebê acaba “machucando” a musculatura pélvica e podendo necrosar algumas fibras musculares incapacitando de ter uma contração eficiente);

doença chamada “bexiga hiperativa” (que se contrai involuntariamente);

pode ser causado por fatores hereditários;

mulheres de 50 anos acima tem maior propensão.

A IU é ocasionada por maior pressão dentro da bexiga e também, segundo o Dr. Drauzio Varella, pela formação do corpo da mulher, a mulher apresentar, além da uretra, duas falhas naturais no assoalho pélvico: o hiato vaginal e o hiato retal. Isso faz com que as estruturas musculares que dão sustentação aos órgãos pélvicos e produzem a contração da uretra para evitar a perda urinária e o músculo que forma um pequeno anel em volta uretra sejam mais frágeis nas mulheres.

De acordo com o site do Bem Estar, o assoalho pélvico, um conjunto de músculos que ficam na região inferior do abdômen e são responsáveis por contrair e relaxar a bexiga, funciona como uma rede que segura os órgãos da região. Quando se afrouxa, não consegue conter o jato de urina. Por isso, fazer exercícios de contração e agachamento ajudam a fortalecer essa musculatura.

O tratamento para esse distúrbio pode ser feito de 3 maneiras, o médico que irá verificar qual será a melhor forma, podendo ser com cirurgia, medicamentos e fisioterapia (fortalecimento da musculatura pélvica que está danificada).

Para não termos esse distúrbio, vamos trabalhar a prevenção que é uma forma fácil e poderá ser feita discretamente. Dois exercícios que poderão auxiliar o fortalecimento é a Elevação de Quadril ou também conhecido como Ponte Deitada e a Contração da musculatura do assoalho pélvico. A Elevação de Quadril se faz com a pessoa deitada de barriga para cima, pernas flexionadas e braços estendidos. A execução é levantar o quadril sem os pés e os ombros saírem do chão. Tente no final da elevação contrair o assoalho pélvico. Poderá ser iniciado com 2 séries de 10 repetições por dia, aumentando as repetições por semana. O melhor a ser feito será com a instrução de um profissional.  A figura abaixo mostra a execução.

A contração pélvica é executada como você estivesse fazendo força para segurar a urina, poderá ser feito na posição deitado, sentado ou em pé. No programa a fisioterapeuta falou para executar 30 repetições diárias podendo ou não ser de intervalos, 10 de manhã, 10 a tarde e 10 a noite e futuramente trabalhar em isometria, fazer força segurando 5 segundos.

Fazendo esses exercícios, irá aumentar a força muscular e vai ser mais difícil você ter uma Incontinência Urinária. Sempre consulte um profissional da área para esclarecer as diversas dúvidas e uma melhor execução dos exercícios.

Referências:
Drauzio Varella
G1

Veja onde mais você pode nos encontrar:

Especialista em Fisiologia do Exercício pela PUC-PR. Professor de musculação e personal trainer. Avaliador físico há 6 anos. Praticante de Corridas de Rua e Triathlon.

Deixe seu Comentário

Powered by Facebook Comments

Deixe seu comentario