A participação em corridas de rua vem aumentando significativamente nos últimos anos, motivada pelos benefícios a saúde, fácil execução e baixo custo.  Assim, a corrida de rua tem-se tornado popular; no entanto, os indivíduos que a praticam estão expostos aos eventuais riscos associados.

No estudo realizado em Curitiba pelo GPAQ / PUCPR  os autores avaliaram lesões em indivíduos praticantes e treinados em corrida de rua. Segundo o estudo, a presença de lesões nos últimos seis meses foi de 28,5% (29,8 e 23,9% para homens e mulheres, respectivamente). Nenhuma das variáveis investigadas (idade, renda, índice de massa corporal – IMC, volume de treinamento, treinar com orientação profissional) apresentou associação com o relato de lesões. No entanto, pode-se observar que a maior prevalência de lesões foi observada na faixa etária dos 30,1 aos 45 anos (32,8%), para aqueles com sobrepeso/obesidade (35,2%), para mulheres que treinam mais do que 30 min/dia (31,3%) e homens que treinam mais que 60 min/dia (34,2%).

Em relação ao item “Treinar com orientação profissional”, apesar de não ter apresentado associação com o relato de lesões, não se descuide. Procure sempre um profissional de educação física para te orientar. Mesmo porque segundo a literatura: “A realização de exercícios de maneira exaustiva, sem orientação ou de forma inadequada, pode contribuir para o aumento do número de lesões esportivas”.

Outro estudo, realizado em São Paulo, coletou dados antes de uma prova de corrida de rua e separou em dois grupos, os que estavam com dor (antes desta corrida) e os que não tinham dor. Nesta pesquisa a prevalência de lesões musculoesqueléticas momentos antes do inicio da corrida foi de 25,16%.

O tipo de superfície onde os indivíduos praticam a corrida também foi coletado, mas não foi considerado como um fator que pode levar ao aumento de lesões.

Uma das variáveis que apresentou valores estatisticamente significantes relacionados à presença de dor foi à média de quilometragem semanal de treino (39,6km). Em outros estudos encontramos que acima de aproximadamente 60 km de treino por semana, existe um aumento no risco de lesão.

Os resultados de ambos os estudos são preocupantes, uma vez que a promoção da atividade física objetiva o desenvolvimento de um estilo de vida mais saudável. As lesões podem desmotivar e até mesmo afastar os praticantes de corridas de rua.

Por isso, com o aumento da popularidade desse esporte e do número de praticantes, o treinamento deve cada vez mais ser realizado de maneira que seja eficaz na melhora da performance e segura para que não ocasione lesões.

E você, já sofreu alguma lesão correndo ou devida aos treinamentos? Conte para nós!

 

Referências:
YAMATO, Tiê Parma; SARAGIOTTO, Bruno Tirotti; LOPES, Alexandre Dias. Prevalência de dor musculoesquelética em corredores de rua no momento em que precede o início da corrida. Rev. Bras. Ciênc. Esporte,  Porto Alegre,  v. 33,  n. 2, June  2011.
HINO, Adriano Akira Ferreira et al . Prevalência de lesões em corredores de rua e fatores associados. Rev Bras Med Esporte,  Niterói,  v. 15,  n. 1, Feb.  2009. 

 

Veja onde mais você pode nos encontrar:

Mestre em Fisiologia da Performance (UFPR). Especialista em Atividade Física e Saúde (UFPR). Personal Trainer em academias e condomínios. Personal Coach do Lifex Institute Curitiba. Cursos de certificação internacional: Resistance Training Specialist. Professora de Cursos de Pós-Graduação. Diretora técnica do Exercite-se.com.

Deixe seu Comentário

Powered by Facebook Comments

Deixe seu comentario