O dia 7 de abril é considerado, no Brasil, o Dia do Jornalista. Para homenagear esse profissionais, o Exercite-se.com saiu em busca de jornalistas que, a despeito da correria do dia-a-dia, dedicam-se com afinco às atividades físicas, principalmente as corridas. Hoje você vai conhecer a história da Janaina, em um depoimento emocionante.
Comecei a correr em 2006, depois de ler uma matéria numa revista, que tinha uma planilha de treino: “Da caminhada à corrida em 12 semanas”, nunca esqueci o título, recortei a tabela e colei na porta da geladeira. Corria na rua e na esteira da academia. A primeira prova foi o 10k da Maratona de Curitiba, em novembro de 2006, que terminei em 1h02′.
Corro desde então, com apenas duas paradas grandes. A primeira foi a gravidez em 2009 (corri até fechar o quinto mês de gestação, e voltei três meses depois do parto, tudo com orientação médica e do professor de educação física). A segunda foi no começo de 2011, quando descobri um rompimento do menisco medial do joelho esquerdo,que resultou numa cirurgia em junho passado. Deu tudo certo, mas voltei bem devagar, e só agora senti segurança de participar de 2 provas: Corrida da Mulher (6k em 34′), em março, e a etapa de outono do Circuito das Estações Adidas (5k em 27′).
Corro 3 ou 4 vezes por semana, e faço musculação 3 vezes por semana. A musculação agora é sagrada, por causa do joelho. Pra dar conta do trabalho, os estudos para novos concursos públicos, a casa, o filho de 2 anos, o meu horário de treino é meio estranho: acordo à 5h da manhã, e às 5h15 estou na academia do prédio, pra uma hora e pouco de treino. Durmo cedo, por volta de 22h, e me sinto muito bem assim.
Não tenho mais planos de correr longas distâncias por causa do joelho. Quero correr menos, pra correr pra sempre. Planejo fechar minha mandala com as quatro estações da Adidas neste ano, e fazer os 10k da Maratona de Curitiba, em novembro.
Também quero voltar a correr com o filho no nosso carrinho especial (running stroller) que ele adora. Levei o guri na primeira caminhada quando ele tinha 4 meses, e a primeira corrida foi com 5 meses. Aos domingos ele “treina” comigo, pede pra mamãe correr mais rápido, mas ainda não recuperei o fôlego suficiente para encarar uma prova empurrando os 11 quilos do triciclo mais aqueles 12 quilos de fofura. Quem sabe na próxima corrida vocês me encontram com o companheirinho?

Deixe seu Comentário

Powered by Facebook Comments

Deixe seu comentario