Os corredores devem tomar muito cuidado com possíveis lesões no esporte, por isso a importância de fazer um treinamento ideal sem excessos, realizar alongamentos e um bom aquecimento antes das provas e dos treinos, abaixo estão listadas as cinco principais lesões que podem atingir os praticantes da corrida:

  • Síndrome do trato ílio-tibial (STIT)

Essa síndrome é uma lesão inflamatória aguda é mais conhecida como joelho de corredor mais também é observado em praticantes de ciclismo e esportes de longa distância, é causada por envolver flexões repetidas do joelho por um longo tempo, mais afinal quais os sintomas dessa síndrome? O atleta começa a sentir dores na face lateral do joelho um pouco acima da superfície articular essa dor pode piorar durante a pratica repetitiva fazendo com que o atleta pare os seus treinos, essa inflamação pode piorar se tornando uma bursite aumentando a dor, a stit raramente se torna caso de cirurgia mais pode afastar o atleta por causa das desconfortáveis dores. Se sentir dores procure um profissional para fazer exame clinico.

  • Fascíite plantar

A fascite plantar refere-se a uma dor plantar, no ponto de origem da fascia plantar, na tuberosidade medial do calcâneo. Caracteriza-se por uma inflamação ocasionada por microtraumatismos de repetição na origem da tuberosidade medial do calcâneo. As forças de tração durante o apoio levam ao processo inflamatório, que resulta em fibrose e degeneração das fibras fasciais que se originam no osso. Outros fatores podem estar associados a mesma, tais como: a falta de flexibilidade do arco longitudinal e a rigidez das musculaturas da panturrilha, assim como o uso de calçados inadequados e o aumento do tamanho do passo durante a caminhada ou corrida já que é uma anomalia comum entre corredores.

  • Fraturas por estresse

As fraturas por estresse nos corredores são de 5% a 16% de todas as lesões são denominadas dessa forma, a fratura por estresse significa uma quebra no equilíbrio entre as taxas de formação e absorção ósseas. As condições e características do treinamento também podem ser consideradas fatores de risco. Os estudos em corredores de longa distância apontam para alguns fatores de risco, como o aumento súbito na velocidade e distância percorridas, as condições de superfície inadequadas (piso e tênis), intervalo entre treinos e condicionamento físico insuficientes. Nos corredores de longa distância, as fraturas por estresse da tíbia são as mais freqüentes (50%), seguidas pela fíbula, ossos metatarsais (2º e 3º), calcâneo e outros.

  • Síndrome da dor patelo femoral

É caracterizada pelo amaciamento, amolecimento e degeneração da cartilagem que se encontra por baixo, atrás da patela. Esta cartilagem, que tem o papel de diminuir o atrito entre o osso da patela e o osso da coxa, o fêmur, recebe pouco aporte sanguíneo (pouco vascularizada), prejudicando sua recuperação. Caso não seja identificada e tratada no início pode trazer séria incapacitação ao indivíduo. Uma das principais causas é o desequilíbrio entre os músculos do quadríceps (Vasto Medial e Vasto Lateral). Tais músculos possuem o papel de garantir estabilidade da patela, fazendo com que ela deslize em seu eixo ótimo. Quando um desses músculos está mais fortalecido que o outro (na maioria dos casos, o vasto lateral está mais fortalecido), pode ocorrer o desalinhamento do eixo patelar, ocasionando dor. A patologia evolui de uma simples dor no joelho, seguido de amaciamento e amolecimento da cartilagem, até a sua degeneração, dando-se o nome de artrose. É mais comum ser encontrado em mulheres por ter os quadris mais largos e o uso excessivo de salto alto.

  • Tendinopatias

São lesões que acometem os tendões, estruturas compostas principalmente por colágeno, responsáveis por transmitir a força gerada pelo músculo para o osso. A tendinopatia mais conhecida é a “tendinite”, que ocorre quando há ruptura parcial ou total do tendão, correspondendo há menor porção das tendinopatias. O tipo mais comum é as “tendinose”, que está relacionada ao envelhecimento, microtraumas, e comprometimento vascular.

POR ISSO LEMBRE-SE DE:

articulação do joelho
  • Utilizar o tênis correto de acordo com a sua pisada (pronada, neutra e supinada).
  • Ter um profissional de educação física para que possa orientá-lo nos treinamentos que seja o ideal para você, poder saber quando aumentar a intensidade e tempo de treino.
  • O descanso também faz parte do treino, não exceda os treinamentos.
  • Se sentir dores procure um profissional e realize exames para verificar o problema.

CORRA DAS LESÕES E BONS TREINOS!

Acadêmica de Educação Física Bacharelado em Unibrasil. Participa de competições de Corrida de Rua e Powerlifting. Campeã Paranaense de Powerlifting - Categoria Junior 2011.

Deixe seu Comentário

Powered by Facebook Comments

4 Responses


  1. Ale on 03 dez 2010

    Dependendo do grau de pronação e supinação e volume de treinos, usar o tênis correto é fundamental!! Fato que é importante sempre ler sobre o assunto, mas pisadas severamente ‘tortas’ por assim dizer têm impacto brutal sobre as articulações e deixar de relevar isso por conta de um estudo é no mínimo imprudência. E outra coisa ” little influence on injury risk” é MUITO diferente de dizer que “não faz diferença”… quem corre sabe que faz!!

  2. Greiciely Lopes on 30 nov 2010

    Olá Erik, obrigada pelas considerações!

  3. Erik Neves on 30 nov 2010

    O filtro de spam (sabiamente) impediu q eu colocasse muitos links. Veja outros:
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/19124908
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/16130528
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/3849057

  4. Erik Neves on 30 nov 2010

    Utilizar o tênis de acordo com a pisada não faz diferença em relação a lesões, segundo este estudo:
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/20117594

    Sobre alongamento (estático, o mais comum), dê uma olhada em
    http://www.ncbi.nlm.nih.gov/pubmed/15233597


Deixe seu comentario